Vestimenta

 

Na gaveta d´alma

o poeta guarda a noite

como seda valiosa.

Quando no peito

o ouro despede-se

e o brilho prata fulgura,

abre-a.

Despe-se de si;

no chão,

pousa delicadamente

a realidade.

Veste-se de sonhos

e então a vida é metáfora.

Clau Assi

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s